Nova York pertence a uma restrita categoria de cidades completamente diferenciadas ao redor do mundo. Tema de uma infinidade de músicas, cenário de incontáveis filmes, é uma metrópole envolvida por uma mística com a qual talvez somente Paris possa se comparar.

Caminhando pelas ruas dessa cidade cosmopolita, muitas vezes você realmente se sente como em um filme. Mesmo para quem visita pela primeira vez, vários elementos da paisagem parecem familiares, pois são romanticamente retratados no cinema e em séries de TV.

Um típico cenário nova-iorquino

Um típico cenário nova-iorquino

Os grandes táxis amarelos sedan com placas de publicidade no teto; o vapor de água que escapa pelas tubulações saindo do subsolo e vez por outra enfumaça as ruas; a luz e a profusão de cores nas placas de publicidade da Times Square; as típicas placas pretas e brancas de “one way” nas esquinas ou a surpresa de se deparar, de repente, com ícones da arquitetura mundial como o Empire State Building, a ponte do Brooklyn ou a estátua da Liberdade ao longe nas águas do Rio Hudson: tudo isso mostra como a cidade de Nova York é, em si, um ícone pop e porque é um dos destinos turísticos mais procurados do mundo.

O lado ruim de tudo isso é que, por todas as suas qualidades e procura turística, Nova York não é uma cidade barata de se visitar. Especialmente, no nosso caso, nestes tempos em que nossa moeda se encontra tão desvalorizada frente do dólar.

Mas com um pouco de criatividade e planejamento é sim possível realizar o sonho de conhecer esta cidade única no mundo. Nós estivemos por lá e preparamos este guia para ajudar você.

Planejamento é a melhor dica para uma viagem econômica a NY

Começando pela compra das passagens, passando pela escolha da hospedagem e abrangendo até detalhes como a escolha da forma de deslocamento na cidade, cada ponto da sua viagem pode ser planejado com foco na economia.

Com o câmbio entre R$3 e R$4, como na época da nossa passagem pela cidade, cada dólar economizado pode fazer diferença no final das contas para aqueles que querem fazer uma viagem barata a Nova York. Veja nossas dicas práticas para economizar por lá.

1 – Passagens baratas para Nova York

Sua economia começa já na compra das passagens. Com o câmbio alto, a procura por passagens internacionais cai sensivelmente. Em resposta, as companhias aéreas tendem a reduzir os preços das passagens aéreas.

Nossas passagens para NY

Nossas passagens para NY

Como exemplo, vou relatar minha própria experiência. Comprei minha passagem pela TAM no dia 1º de março, para viajar no dia 26. Ou seja, a antecedência não foi das maiores. Veja abaixo a reprodução do e-mail de confirmação, contendo o valor que paguei:

Confirmação do meu vôo para Nova York

Confirmação do meu vôo para Nova York

R$1.193,88 pela passagem de ida e volta para Nova York é um preço excelente, não é verdade? Mais barato que muito trecho nacional que a gente vê por aí. Ah, detalhe que esse preço foi para saída de BH, que não tem voo direto. Se você está no Rio ou em São Paulo, provavelmente pode encontrar voos até mais baratos que esse.

Veja neste post do Melhores Destinos que no mês de Abril foram encontrados vôos para Nova York a partir de incríveis R$863. Passagens tão baratas são o início de uma viagem econômica.

Sempre consulte suas passagens na MaxMilhas

MaxMilhas

Uma outra alternativa muito interessante para encontrar voos baratos, não apenas para NY, mas também para todo o Brasil e dezenas de outros países, é a MaxMilhas.

A MaxMilhas é uma plataforma que conheço de perto e posso dizer com segurança que, em muitos casos, ela permite economizar (de verdade) até 80% na compra de passagens aéreas.

Funciona assim: você compra suas passagens e elas são emitidas com milhas de usuários dos programas de milhagem, que cadastram seus pontos para venda na plataforma. A MaxMilhas faz a intermediação dessa transação, cuidando de todos os aspectos relacionados à segurança para quem compra passagens e também para quem vende suas milhas.

O site cobra uma comissão que é claramente demonstrada no resumo da transação. O detalhe é que sempre vale a pena cotar na MaxMilhas, pois quando o preço é mais baixo em alguma companhia aérea, isso também é claramente indicado e você é direcionado para a compra, caso queira, sem pagar nenhuma taxa adicional por isso.

Conheça a MaxMilhas clicando aqui.

2 – Hospedagem em NY

A hospedagem talvez seja sua principal despesa durante a viagem. Então vale a pena pesquisar muito e também definir qual o ponto de equilíbrio ideal para você entre economia e conforto.

No momento da escolha, considere também o planejamento do seu roteiro. Como dissemos, com o câmbio desfavorável, cada dólar pode fazer diferença na economia final. Considerando que o metrô custa 3 dólares, se você se hospedar em um local de fácil acesso às atrações que pretende visitar, pode fazer uma economia considerável com deslocamento ao longo da sua estadia.

A ilha de Manhattan tem quase 60 km² de área. A não ser que você planeje uma estadia mais prolongada (mais de uma semana) é muito difícil conhecer tudo o que se pode explorar por lá. Então é altamente recomendável que você pesquise antecipadamente, escolha suas atrações favoritas e procure se hospedar numa região de fácil acesso à maioria delas. Atenção ao próximo item desse post, que vai falar mais sobre isso.

Falando em escolha da hospedagem, uma coisa que eu pude notar rapidamente nas minhas pesquisas, por exemplo, é que se paga muito menos em acomodações com banheiro compartilhado. Para um casal isso pode ser desconfortável, mas para quem viaja sozinho ou com amigos, pode ser uma opção viável para economizar. Como já dito, defina com clareza qual o ponto de equilíbrio entre economia e conforto ideal para você.

Na hora de escolher a hospedagem, você tem as opções mais conhecidas do Hoteis.com e Booking, para hotéis; e do AirBNB para acomodações compartilhadas por seus proprietários (clicando neste link você ganha R$73 em créditos para sua primeira hospedagem no AirBNB).

Em nossa passagem pela cidade, conhecemos o site Priceline.com, que também apresenta ofertas interessantes para hospedagem.

Existe, ainda, a opção do Couchsurfing – uma espécie de rede social para pessoas que querem compartilhar e também usufruir gratuitamente de espaços em residências para viajantes ao redor do mundo. Pode ser um conceito inicialmente estranho, mas existe muita gente conhecendo países mais facilmente dormindo “nos sofás” (couch, em inglês) oferecidos por membros da rede.

3 – Separe as atrações por setores e economize no transporte

Em um dia turistando pela cidade usando o metrô, você acha razoável comprar, digamos, 4 bilhetes? Ida e volta para o seu hotel e mais 2 bilhetes para deslocamento durante o dia.

Sinalização típica do metrô de NY

Sinalização típica do metrô de NY

O metrô em NY custa 3 dólares. Com o câmbio a R$4, cada bilhete custaria R$12, o que no final do dia representaria um gasto de R$48. Se você mantiver essa média por 7 dias na cidade, terá gasto R$336 só com metrô durante sua hospedagem.

Para gastar menos com o metrô, como já sugerimos, escolha a região de hospedagem de acordo com os lugares que deseja visitar. Nós achamos as estações do metrô um tanto mal sinalizadas, então sugerimos que você baixe o aplicativo oficial com os mapas e outras funcionalidades do “Subway” de NYC. Aqui as versões para Android e iPhone.

Os táxis são relativamente baratos se comparados ao metrô. Em corridas curtas, a partir de cerca de 10 minutos, já começa a valer a pena, em termos financeiros, utilizar um táxi para duas pessoas.

Há também a opção das bicicletas compartilhadas (iniciativa do Citibank, similar à do Itaú no Brasil), que eu gosto bastante, pois dá muita agilidade e autonomia para distâncias médias – sem falar na economia. Custa 9,95 dólares por dia ou 25 dólares para 7 dias. Detalhes aqui.

O ônibus turístico (hop on – hop off) vale muito a pena

Ônibus Hop-On / Hop-Off

Ônibus Hop-On / Hop-Off

Com um único bilhete de ônibus, você pode embarcar e desembarcar quantas vezes quiser para conhecer a cidade. O bilhete tem validade de 24 horas, então você pode voltar no dia seguinte para ver algo que eventualmente faltar.

Em outras palavras, você pode economizar dois dias de transporte público. Basta se programar para descer nos locais que você quer conhecer.

Há 3 diferentes trajetos e dá pra conhecer muita coisa, como o Empire State, Edifício One World Trade Center, Soho, Quinta Avenida, área externa do Central Parque, Madison Square Garden, Rio Hudson Park, Chinatown, as esculturas Love e Hope, o museu de arte MoMA e a Times Square, onde compramos os bilhetes. Várias pessoas utilizando coletes verdes oferecem os bilhetes na rua. Compramos de uma delas e não tivemos nenhum tipo de problema. Com alguma barganha, nos custaram R32 dólares cada.

Cuidado com os semáforos!

Cuidado com os semáforos!

Suba para o segundo andar do ônibus (onde a vista é muito melhor), mas fique sempre sentado! Os semáforos ficam muito próximos e de pé você pode ser atingido por um deles.

Se você resolver utilizar o ônibus turístico, pode ser uma boa alternativa conjugar com o NY City Pass, caso as atrações sejam do seu interesse. Comprando esse bilhete (116 dólares) você pode visitar as seguintes atrações, quase todas facilmente acessíveis com o ônibus:

  1. Empire State Building
  2. Museu Americano de História Natural
  3. The Metropolitan Museum of Art (MoMA)
  4. Deck de Observação do Top of the Rock OU Museu Guggenheim
  5. Estátua da Liberdade e Ilha Ellis OU Cruzeiros da Circle Line
  6. Memorial e Museu do 11 de setembro OU Museu Intrépido do Mar, Ar & Espaço

Considerando, por exemplo, que só o Empire State e o Top of The Rock custam 32 dólares cada, se você se programar para aproveitar bem o NY City Pass, esta pode ser uma opção econômica.

4 – Alimentação em NY

Não há dúvidas de que Nova York possui uma infinidade de ótimos restaurantes. Mas como o foco hoje é a economia, vamos a ela! 🙂

Quando você quiser economizar na alimentação, os sanduíches são uma boa alternativa. Além disso, são perfeitos para aqueles dias em que você quer andar para conhecer muitas coisas, pois é muito mais rápido.

O Subway sai em conta por lá e eu particularmente gosto. É mais saudável que os junk foods, com muita salada. Aliás, no cardápio também existe salada separadamente.

Mas quem gosta mesmo dos mais junkies também não fica desamparado: o Shake Shack é mais estilo Burger King ou McDonalds, tem sanduíches bem gostosos e o preço também é super ok! Outra opção são os tradicionais hot dogs, à venda em barraquinhas nas calçadas, a partir de 3 dólares.

No dia em que você tomar o ônibus turístico, caso queira visitar o MoMA, aproveite para almoçar no restaurante Judge Roy Bean. Fica na 56th Street, número 38, entre a 5th e a 6th avenidas (3 quarteirões do MoMA). Vale muito a pena. O ambiente é ótimo, estilo pub, com música de primeira qualidade. O combo hamburger + fritas + cerveja custa 10 dólares, um ótimo preço para os padrões da cidade.

Almoço no Judge Roy Bean

Almoço no Judge Roy Bean

Eventualmente você vai encontrar em Manhattan algumas bancas de frutas pelas calçadas. Tudo é de primeira qualidade (como é de costume nos EUA em relação ao consumo) e além de ser saudável, é barato. Eu gosto de banana porque dá muita energia para turistar pela cidade. 3 por 1 dólar.

E então, já está fazendo as contas para saber o tamanho da economia que você vai fazer seguindo essas dicas? Esperamos que sejam úteis para a sua viagem ou daquele amigo que vai para a cidade em breve.

E se você já foi a NYC e também tem dicas para economizar na cidade, que tal deixar um comentário aí embaixo? 🙂